ASAV - Associação dos Servidores Administrativos da UFV

História - Nossa história

Asav completa 20 anos de luta

 

Publicado no InformAsav nº 2, de junho de 2004

 

Há 20 anos um grupo de decididos homens e mulheres se dispôs à criação da Associação dos Servidores Administrativos da Universidade Federal de Viçosa. A reunião aconteceu no começo da noite do dia 26 de junho de 1984, na sala 109 do Departamento de Engenharia Florestal. Participaram os seguintes servidores, que assinaram a ata de constituição da associação: Jaime Silva de Oliveira, Ruy São José, Pedro Bernardo Neto, Mauro de Filippo Carneiro, Vivaldo Pena, José Augusto Ferreira, Maria Aparecida Araújo Souza, Carlos Antônio Rocha, Wantuil dos Santos, Gerson Oliveira da Paixão, Alceu Raimundo Campos Nadler, Paulo de Freitas, José Eustáquio de Freita, Sílvio Fagundo Rocha, Maria Aparecida Cardoso (que lavrou a ata).

Naquele ano a ditadura militar cambaleava, as mobilizações pelas Diretas-Já apareciam no horizonte do Brasil. A Asav nascia arejada pelos novos tempos que se viviam no país. Como se diz, vinha preencher uma lacuna. "Antes, na década de 60, havia uma associação de servidores, mas o pessoal tinha muito medo, ganhava alguma coisa em troca de sua atuação e saía fora. Teve um que ganhou uma casa na universidade e acabou com a associação aí", conta Jaime Silva de Oliveira, que foi o primeiro presidente da Asav. "Sempre lutamos com isso. Todo reitor que entrava, sofria alguma pressão, tentava comprar os dirigentes. Quando em 1969 a universidade foi federalizada já não existia a associação. Em 1984 a gente tinha um pessoal aqui que só pensava em mexer com escola de samba. A Asav surgiu no princípio como se fosse um grêmio recreativo. Me chamaram para ser presidente da Escola de Samba. Disse que não queria ser presidente de escola de samba, que deveríamos nos transformar numa associação de reivindicação de direitos."

A época era de dificuldades de atuação política e sindical. Como conta Álvaro Araújo, quem também participou do primeiro Conselho Deliberativo, os servidores eram incentivados a ser puxa-sacos e subservientes às chefias. "Com a criação da associação, inauguramos uma nova data nesta universidade: antes e depois da Asav. Foi muito difícil para a gente na época fazer essa luta, porque não tínhamos experiência", diz Álvaro, que continua na ativa, como funcionário e como lutador. "Graças à experiência de outros companheiros que vieram de fora, como Jurany, João Bosco Miranda, Nelson Ambrozevicius, Saulo, Agnaldo, e muitos outros, nós conseguimos montar uma associação de briga." Álvaro lembra que tinham muito poder de fogo e de luta naquela época.

O samba que começou a ser entoado e dançado, então, com a transformação do grêmio recreativo na associação, foi o das lutas e das reivindicações dos trabalhadores da universidade. "A Asav quando foi criada não tinha bem um cunho de sindicato. Era só uma associação de servidores, recreativa", testemunha Saulo Penteado, ainda hoje na ativa como diretor da Fasubra, tendo integrado o primeiro Conselho Deliberativo. "Só que as coisas foram ficando difíceis, e um grupo de companheiros que tinham uma visão sindical resolveu criar a chamada ala sindicalista, que foi ocupando os espaços vagos que surgiam, e daí então a Asav passou a ser uma entidade de cunho sindical."

A diretoria provisória que esteve à frente da associação por um ano ficou assim constituída: Jaime Silva de Oliveira (Presidente), Ruy São José (Vice-Presidente), Maria Aparecida Cardoso (Secretária), Pedro Bernardo Neto (Dir. Adm. Financeiro), Mauro de Fellippo Carneiro (Dir. Sócio-Cultural), Silvio Fagundo Rocha (Dir. Relações Públicas) e Wantuil dos Santos (Dir. Esportes). A assembléia geral de implantação definitiva e que colocou a Asav na vida cotidiana dos servidores da universidade foi realizada no dia 26 de outubro de 1984, no Ginásio Poliesportivo com a presença das principais autoridades da universidade.

No dia seguinte, já era encaminhado ao reitor Geraldo Martins Chaves a reivindicação da criação da creche, que viria a ser implantada três anos depois, na gestão de José Reinaldo de Freitas (Preguinho). Começava a grande história de crescimento e fortalecimento da associação, que sempre atuou como sindicato, como diz o Jaime, "sindicato é aquele que tem força, não aquele que tem nome". Foi a época inaugural das reivindicações e conquistas, tanto internas quanto a nível nacional, com a Asav em seguida se integrando à Fasubra: participação no Conselho Universitário, direito de representação nas comissões de inquérito que envolvia servidores, a conquista da creche, curso de alfabetização para adultos e servidores analfabetos, e por aí vai.

No ano seguinte, seria deflagrada a primeira greve dos servidores administrativos associados à Asav, a partir do dia 21 de setembro, com reivindicações do INPC integral e a reposição salarial de 38,5%. Teve a duração de 13 dias, e os grevistas saíram vitoriosos.

Desde aí a Asav teve presença de destaque na atuação na base da Federação. "Nossa relação com a Fasubra na época era tão boa, que, nas mesas de conversação e negociação de todas as greves que houve naquele período, de cinco integrantes nós de Viçosa tínhamos três", diz Jaime, orgulhoso. "Nós tínhamos um economista muito bom que era o Nelson Ambrozevicius, presidente do Conselho Deliberativo, um diretor de Imprensa que era o Agnaldo Pacheco, e eu. Para se ver o nível de força que tínhamos na Fasubra, a credibilidade, porque nós éramos a única entidade que não fazíamos assembléia com menos de mil pessoas em nossa época."

Os tempos mudaram, a redemocratização do país se consolidou. Os governos que vieram depois não deram trégua aos trabalhadores, culminando no governo atual, encabeçado por um político que teve origem no movimento sindical. Saulo faz observações certeiras sobre a atuação sindical: "Devido a essa seqüência de governos retrógrados que sempre quiseram fragilizar os sindicatos ficou abalada sua potencialidade, mas está na hora de reverter e voltar a ser o que era, se impor com a categoria forte, se unir, e enfrentar as conjunturas que se apresentam".

Saulo lembra o que aconteceu com os grandes sindicatos do país, ferroviários, petroleiros, bancários, que foram "detonados pela estrutura neoliberal que está instalada, a globalização, com a automatização, enfim, tudo isso que é uma ameaça para os trabalhadores". Para ele o que se tem a fazer é colocar na cabeça dos novos que estão chegando uma injeção de ânimo, mostrando a eles que vale a pena fazer a luta. "Eles têm que assumir essa luta", diz.

A Asav cresceu muito, como indica seu atual presidente Sebastião Carlos da Fonseca (o Tião). Atua na área social, com escola de informática, com ambulância e com a construção também do ginásio poliesportivo, que irá beneficiar o servidor de menor poder aquisitivo e também a prática esportiva.

"Na época em que a Asav foi criada eu trabalhava na mesma sala do Jaime na CPD", lembra o Tião, em meio aos preparativos da comemoração dos 20 anos da Associação. "Parece que foi criada até tardiamente, porque antes na ditadura e perto da criação da Asav, tivemos alguns companheiros na universidade que conseguiram algumas conquistas na Justiça e foram demitidos imediatamente. Então o objetivo primordial da Asav era garantir os direitos dos servidores dessa universidade, lutar pelos seus direitos, não esquecendo também de seus deveres, tendo um sentido também de congraçamento entre os associados."

 

Primeira diretoria eleita

No dia 11 de outubro de 1985, após disputa entre duas chapas encabeçadas por Jaime e Magela, tomaram posse os membros da primeira diretoria eleita da Asav:
Presidente: Jaime da Silva de Oliveira

Vice-Presidente: Nilton Alves Gonzaga

Dir. Adm. Financeiro: José Deulio Coutinho

Vice-Dir. Adm. Financeiro: Pedro Bernardo Neto

Secretária: Ana Maria Cani de Almeida

Conselho Fiscal: Pedro Dias de Carvalho (Presidente), Afonso Soares Ferreira, Fernando Diogo, José dos Santos Filho e Jocelino Rodrigues Filho.

Conselho Deliberativo: Adolfo Egídio Reis (Presidente), Álvaro Araújo, Antônio Jésus de Campos Mata, Arthur Ângelo dos Santos, Carlos Gomes da Cunha, Fátima Chagas Pompeu, Jamil Rodrigues Maciel, José Antônio Gouveia, José Lopes Duarte, Lúcia Fernandes Neves, Lúcia Maria da Cunha, Maurício Valentino Cruz, Nelson Ambrozevicius, Rogério Geraldo Alves (Agros) e Saulo Rodrigues Leite Penteado.

 

1º ATA da Asav

Informátivo ASAV Florestal Ações Trabalhistas ASAV Escola de Informática Filiação Prestação de Contas

Copyright © 2011 ASAV - Associação dos Servidores Administrativos da UFV.
Rua do Pintinho, 355 - Bairro Bela Vista - CEP: 36570-000 - Viçosa, MG.